Colunas

Coluna do Mazzarino

18/02/2017 13:25:05

O Atacadão e a duplicação da BR-386

mento interessante. Há dois fatos distintos que conversam diretamente com um novo pulsar local e regional.

A primeira é a volta das obras de duplicação da BR-386. Nesta nova fase, ao que tudo indica, ou melhor dizendo, o que devemos supor, é que o trecho Estrela-Bom Retiro do Sul seja concluído.

Ou seja, o eixo, a coluna vertebral do Vale do Taquari, está em boa parte dela duplicada. No específico a Estrela, o município amplia a sua possibilidade de centro de investimentos do Vale do Taquari.

Novas empresas, novos loteamentos populares, condomínios privados saem do projeto para a prática.

Dentro deste contexto, o segundo fato importante é a inauguração, em março, do hipermercado da rede Atacadão, um dos braços do Grupo Carrefour, potência internacional do setor.

Nas margens da BR-386, no lado de trevo, o Atacadão ancora seu projeto de interiorização da marca. Os grandes vão, outros grandes observam, alguns copiam e ampliam, e médios e pequenos seguem. É uma lei mundial não escrita.

Trago estes dois enfoques como informação e reflexão sobre o novo panorama que se abre para Estrela e microrregião.

A soma dos fatos é um bom fermento, adubo, irradiação de energia. Temos de saber “ler” este novo contexto que se abre e suas possíveis multiplicidades.

Entendo que a boa briga dos poderes políticos e das lideranças não governamentais é costurarem ações nesta nova corrente de investimentos de porte.

Haverá quem diga que o momento é de crise. Sim, é verdade, mas uma crise é passageira. Vejamos o contexto da floresta e não o das árvores isoladas.

Estrela brilha. É hora de construirmos correntes para a multiplicação de tal energia.

Curtas

l No Legislativo de Estrela não convidem para a mesma mesa os vereadores Volnei Zancanaro (PR) e Élio Kunzler (PTB). Calma!

l O vereador de Estrela Thiago Lehmen (PSDB) esteve em Brasília nesta semana.  Realizou encontros com a senadora Ana Amélia Lemos (PP) e com o deputado federal Danrlei Hinterholz (PSD).

l A altura dos quebra-molas de Estrela foram tema de debates da oposição na Câmara de Vereadores. Há quem critique e há quem elogie tanto detalhismo dos temas e argumentos.

l Estrela esteve em Brasília nesta semana com o prefeito Rafael Mallmann (PMDB), o secretário da Saúde (PTB) Elmar Schneider, mais os vereadores Débora Martins (PMDB) e  Thiago Lehmen (PSDB).

l O ministro da Saúde, Osmar Terra (PMDB), abriu agenda para o prefeito Rafael Mallmann. A inauguração das casas populares em Novo Paraíso “amarrou” Estrela na memória de Terra.

l O gabinete do deputado federal Alceu Moreira (PMDB) foi a base de movimento da comitiva de Estrela, em Brasília.

l Um prefeito da região, de um município não banhado pelo Rio Taquari,  esteve em Brasília e não foi bem recebido pelo deputado Sérgio Moraes (PTB). Há quem diga que o motivo é a aproximação do prefeito ao deputado estadual Maurício Dziedricki (PTB) rumo a 2018.

l Bloco de oposição de Estrela esteve reunido nesta semana. O grupo foi liderado pelos ex-candidatos Joel Mallmann (PR) e Eduardo Wagner (PR). Participaram lideranças do PPS, PRB e DEM.

O GALÃ DA CAMINHONETE

Numa cidade do Vale do Taquari surge um novo galã. Evitaremos a cidade, atendendo pedido de quem relata o fato para a coluna.

Ele é casado e com filhos. Nos últimos anos ele teve uma ascensão profissional e saiu da linha do carro popular e avançou para as poderosas caminhonetes, conhecidas nas favelas do Rio como “naves”.

Em paralelo, nosso galã construiu novas amizades e, entre elas, a atenção de algumas mulheres que gostam do universo carro.  E acabou sendo atraído por uma moça mais jovem.

Diante de tanto encantamento, acabou circulando por locais públicos acompanhado da nova “amiga”.

Passeios daqui, baladas de lá, eis que a esposa começa a desconfiar da agenda cheia do nosso esperto galã.

Investiga aqui, pesquisa de lá; aquelas coisas de mulher que aqui não dá tempo de explicarmos, mas sei que a essência você entendeu.

Então, ela foi monitorando os passos, ações e reações do esposo, e conclui que ele estava aprontando.

E assim decidiu mandá-lo para fora de casa. O azar do nosso galã foi que a crise com a esposa coincidiu com um certo desequilíbrio financeiro nas atividades profissionais, fazendo com que ele vendesse a potente caminhonete.

E assim ele ficou sem a esposa, sem a “nave” e, por coincidência do destino, perdeu também a “amiga” que decidiu “dar um tempo na relação”.

Como dizem os manos na gíria do crime: “perdeu playboy”.

Leia nosso jornal online http://jornalng.com.br/pageflip/Main.php?MagID=1&MagNo=263 Página 23