Colunas

Coluna do Mazzarino

02/04/2017 13:55:54

“Quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar.”  (Antônio Vieira – padre e escritor português)
 
Flores para os leitores: Jaqueline Blau, José Alceu Drexler, Margot Pott, Paulo Ricardo Farias e Sali Durscheid.
 
Crônica
Thomas Machado, o cantor do The Voice, para governador!
Entenda como funciona a mente. Você só está nesta linha, neste texto, por causa da foto, da chamada e por ter visto o menino cantando na tv.
Não se assuste, o uso do nome e imagem do garoto é uma provocação.
O fluxo das marés, do oceano da política, mostra que o técnico de futebol Tite é um nome timidamente bem avaliado como um possível pré-candidato a presidente da República. Em paralelo, Luciano Huck, o apresentador de TV,  concedeu uma entrevista sinalizando simpatia pelo universo eleitoral. E nesta mesma linha, Roberto Justus pode ser uma futura possibilidade.
O prefeito de São Paulo não completou meio mandato de governo e falam no nome de João Dória como pré-candidato a presidente. Dória, com elevadas qualidades pessoais, conquistou o voto tendo uma parte do seu histórico vindo da TV, como apresentador. É o empresário imobiliário  Donald Trump avançou na política dos EUA devido sua visibilidade como apresentador de TV.
Em paralelo ao panorama global, aqui na região, na Cacis, na reunião-almoço que aproximou lideranças para ouvir o prefeito de Estrela, o presidente Pedro Barth disse que estávamos – o Vale do Taquari - sem representatividade regional – estadual - federal.
As duas realidades se assemelham. A primeira mostra Tite, Luciano Huck, João Dória e etc.
A segunda, a nossa, sinaliza um vazio. Salvo melhores informações, estamos sem bússolas no campo da política.
Haverá sugestões de nomes no universo empresarial, religioso e futebolístico. E criticas, reais ou excessivas, aos políticos que não estão sabendo ler o momento que vivemos e o sentimento do eleitor.
Nesta tarde de sexta-feira acontece mais uma reunião do Codevat, na Univates, sobre a implantação dos Pedágios na BR-386. A reunião vai acontecer e pouco, ou nada, será definido. E dela teremos uma clara sensação que nos falta foco, lideranças e decisão. Estamos órfãos!
São tempos de transição e os espaços para a loucura e fórmulas químicas estão sempre a disposição de bons mágicos e famintas platéias.
De concreto, nesta conversa quase tola de hoje, a dica é apenas o alerta. Precisamos qualificar a cidadania. Filtrar o olhar, as decisões, os padrões de escolhas e exigências.
Como o ano eleitoral de 2018 já iniciou devo dizer que a busca por nomes com visibilidade em todas as áreas será grande.
Nesta sucessão de vazios, neste vasto território gaúcho, ainda vai acabar sobrando para o Thomas Machado, garoto cantor do The Voice.
Diante de sua simpatia, comunicação, postura, traje e talento musical; haverá quem diga que ele é um bom nome para comandar  o Palácio Piratini, ou um mandato na Câmara Federal.
 
Abre a gaita, Thomas Machado, 
é tudo contigo!
 
 
 
frases
“Não queremos fazer Estrela crescer de forma desordenada.”
(Rafael Mallmann, prefeito de Estrela, na reunião-almoço da Cacis)
 
“O Vale do Taquari faz a mesma coisa sempre e quer resultados diferentes!?”
(Elmar Schneider, secretário de Saúde, ex-deputado, e os discursos na Cacis, sobre a representatividade política da região perante o estado e pais)
 
“Nós temos como problema no Brasil, a generalização!”
(Rafael Mallmann, prefeito de Estrela, na reunião-almoço da Cacis, observando a Operação Carne  Crua)
 
“Somos trabalhadores bons e pagadores de impostos. E desunidos como cidadãos em nossas escolhas políticas.”
(Pedro Barth, presidente da Cacis, na reunião-almoço da entidade)
 
 
“Quanto mais a gente trabalha, menos a gente erra”
(Rafael Mallmann, prefeito de Estrela, na reunião-almoço da Cacis)
 
 
 
 
Trio festeiro
Aconteceu no carnaval. Foi em Florianópolis, com gente da região. O personagem da nossa história é empresário e conhecido no segmento comercial, na faixa dos 40/50 anos. Alto, forte e do tipo garanhão. E homossexual.
Ele conheceu um amigo, na mesma cidade aqui da região, com o mesmo perfil físico.
Diante da atração foram passar o carnaval na capital de Santa Catarina. O novo amigo, em Floripa, disse que tinha um outro amigo na cidade e convidou-o para jantarem.
E assim os três se conheceram, beberam champanha e decidiram fazer aquilo que você está imaginando.
As peripécias foram várias e não vou aqui  descrevê-las. Mas resultaram de alguns danos físicos e a volta imediata, no dia seguinte,  para a região.
Mas, para evitar o conhecimento da família e dos amigos, diante da gravidade dos ferimentos, foi indicado ficar em Porto Alegre até a normalização. Na Capital ele foi atendido: 20 pontos na região da cintura.
O paciente continua com o mesmo parceiro, mas o proibiu de conversar com o amigo que conheceram em Florianópolis.
 
 
 
Curtas
? O empresário Irno Delai disse ao microfone, na reunião da Cacis, que em Encantado, a comunidade apoiou a implantação do pedágio e se arrependeu. O amigo Delai se equivocou. A comunidade local nunca aprovou o projeto do pedágio, o preço e o local onde ele foi implantado.
 
? Os setores de Educação, Obras e Saúde concentram 77% do funcionalismo do governo de Estrela.
 
? O Centro Materno Infantil de Estrela será inaugurado no dia 28 de abril, às 14h. O governador do Estado, José Ivo Sartori foi convidado para o ato.
 
? Fiscale é o nome do aplicativo que o governo de Estrela está implantando. Através deste sistema o cidadão vai apontar os problemas da cidade. A rua vai falar. Ou seja,  problemas de  limpeza, buracos, energia serão apontados pelo povo via internet. A informação entra numa central que mapeia a cidade.  
 
? O prefeito disse que não será candidato em 2018. Isto significa que outros quatro nomes poderão ser  os futuros pré-candidatos a deputados estaduais. Os nomes nós publicamos em colunas anteriores. Mas temos um detalhe, indelicado até, mas necessário. Uma cidade, ou um grupo político que  possui quatro nomes para deputado, na verdade, na real, não possui nome definido. E uma candidatura não se constrói de um dia para o outro. Portanto, definam o foco e o nome.
 
? Dois vereadores decidiram questionar o prefeito na reunião da Cacis. Executivo e legislativo conversam semanalmente. As perguntas dos edis foram de temas que eles conheciam e não era de pauta direta de uma reunião com o setor empresarial. Pode não ter sido, mas passou a impressão que  de os edis aproveitaram o momento para  destacar a própria presença.

Leia nosso NG: http://jornalng.com.br/pageflip/Main.php?MagID=1&MagNo=270 Página 23