Estado

Acidente

06/09/2013 - Estado

Foto: Rodrigo Angeli

Carro invade lanchonete Dias atrás uma cena chamou a atenção de quem passava pela Av. Rio Branco. Uma acidente fez uma Brasília desgovernada parar dentro da Sociedade Rio Branco. Na noite da segunda-feira (2), a cena de certa forma se repetiu na mesma avenida, mas de forma mais violenta e perigosa. Foi quando um Spacefox atravessou a pista contrária e parou dentro da lanchonete Xis Picanha. Segundo os relatos, o Spacefox seguia no sentido Centro x Bairro quando o motorista, Plínio Meimen (54), teria perdido o controle na curva em frente ao prédio do INSS. Com isso invadiu a pista contrária, colidiu com um Fiat Strada e só foi parar dentro da lanchonete, na colisão com o balcão de atendimento. Anderson Costa (24), motorista do Fiat Strada, com placas de Ribeirão Preto, afirmou. “Foi tudo muito rápido, quando vi o carro estava em cima. Acho que ele perdeu o controle na curva. Deus me protegeu nessa”, destacou o outro envolvido, que passava por Estrela a serviço. A proprietária da loja, que estava no saguão da lanchonete, ainda abalada, falou do susto. “Um segundo e tinha caco de vidro voando para tudo que é lado. Nem deu tempo de respirar. Ainda bem que a lanchonete estava vazia, só atrás do balcão, e ninguém passava pela calçada”, afirmou Teresinha Rosa Santos (55). O motorista da Spacefox foi conduzido ao Hospital com ferimentos, onde permanecia internado até ontem.

Leia Também

Mudança retira a possibilidade de parcelamentos no IPVA

04/11/2019

Mudanças foram anunciadas nesta segunda-feira

Começa nesta semana pagamento de R$ 500 por conta do FGTS

09/09/2019

Cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão o crédito automático na conta poupança


Inscrições para o 1º concurso de Aplicativos e Games das escolas estaduais terminam no dia 12

02/07/2019

Premiação inclui valor em dinheiro, medalhas e uma viagem

Receita Estadual intensifica em todo o Estado operações contra inadimplência do IPVA

03/06/2019

Depois de 60 dias em atraso, ocorre a inscrição em dívida ativa, quando há acréscimo de 5% sobre o valor do tributo não pago.