Esportes

Palestra

26/10/2012 - Esportes

Arbitragem é tema de palestras na Univates 

 

O mundo do futebol e da arbitragem foram os temas debatidos na palestra de abertura da Semana Acadêmica dos Cursos de Educação Física (bacharelado e licenciatura) da Univates. 

 

Em um bate-papo descontraído, o árbitro da Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) Leandro Vuaden e os árbitros auxiliares da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Altemir Hausmann e Renata Schaefer, abordaram o início de suas carreiras e os principais desafios enfrentados na função. 

 

Vuaden destacou que gosta do que faz e não trilharia outro caminho profissional. “Quando fiz o curso de arbitragem, havia 176 candidatos para 30 vagas. No início, apitei muitos campeonatos de futebol amador e, com certeza, foi uma escola, uma grande aprendizagem. Para vocês terem uma ideia, na primeira partida que apitei, marquei 13 cartões amarelos. Claro, eu queria mostrar serviço”, brincou, diante de alunos e professores. “Fui xingado muitas vezes e já sofri agressão física, mas em todos os casos mantive a calma. Apitar futebol é passar por várias situações. Não é só fazer o curso e ler livros com regras. É treinar constantemente. Nos últimos dez dias, apitei cinco jogos, por isso o condicionamento físico é muito importante”. Quando questionado sobre a diferença entre apitar Argentina x Uruguai e um Gre-Nal, ele responde: “O envolvimento com o Gre-Nal não é apenas no dia do jogo. São os dias que antecedem e nos dias após a partida. A cobrança é muito maior. Quando coloco o pé para fora de casa para ir apitar o jogo, já escuto um vizinho indagando: Vê se não vai roubar lá no domingo? Mas, podem ter certeza que o árbitro sai de casa para fazer o seu melhor. Fico feliz quando saio do jogo e ninguém fala da arbitragem”, relata Vuaden, que já apitou sete clássicos gaúchos na carreira. 

 

Altemir Hausmann também explicou sobre sua trajetória e sobre sua participação na arbitragem da Copa na Coréia do Sul, em 2007, e salientou que o árbitro apita conforme o jogo pede. “Não há como apitar todos os jogos da mesma forma. Cada jogo é diferente”, afirma Hausmann. O preconceito da figura feminina na arbitragem foi um dos destaques da fala da bandeirinha Renata Schaefer. “Por ser mulher, enfrentei muito preconceito. A mulher é muito mais cobrada. É necessário ter firmeza e se concentrar em cada partida.”


Leia Também

41ª Copa Soges de Futebol Sete: rodada quente na Elite

17/05/2019

Confrontos podem trazer mudanças no topo da principal divisão da competição

41ª Copa Soges de Futebol Sete: sem mudanças no topo

10/05/2019

Líderes das duas principais divisões seguem os mesmos e invictos. Disputa já soma 400 gols, média de 5,4 por partida


Avates conquista medalhas na Argentina

03/05/2019

Equipes mirim e infanto ficaram com o vice-campeonato no Torneio de Bell Ville

Estrelense volta à elite do Estado

03/05/2019

Alkine Rissi e Alexandre Böhmer participaram da terceira etapa do Triathlon, em Imbé