País

Centenário

10/05/2013 - País

Diretoria da OASE espera o “Vale” no dia 29 para festa dos 100 anos/ Rodrigo Nascimento

Oase de Colinas completa cem anos de boas ações

 

Quando a Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (Oase) de Colinas nasceu, a localidade ainda se chamava “Corvo”. Nome que a Paróquia Evangélica de Confissão Luterana, onde a ordem está vinculada ainda conserva. Pelo comando, outras centenas de mulheres passaram e até costuraram roupas em asilo. Hoje elas remendam lembranças e festejam o centenário de uma tradição que resistiu aos apelos modernos e ainda é referência nas comunidades evangélicas. 

 

Leonilda Klien  faz graça. “Eu tinha dez anos quando nossa Oase foi fundada”, brinca. Ao lado de Erena Heuert, ela costurou roupas no asilo Pella Bethânia em Taquari, num tempo em que fazer o bem significava passar a linha na agulha e remendar. “Hoje a gente continua fazendo doações ao asilo, só que com roupas usadas. Existe mais ofertas de doações”, diz Erena. 

 

Além de doar, as senhoras da Oase já tiveram a outorga de aconselhar. Problemas todo mundo tem. No campo, não é diferente. Atuando direto nas comunidades, as mulheres da benemerência luterana reataram famílias. Ajudaram doentes e trabalham o ser espiritual até hoje. “Em nossas reuniões, sempre há espaço para a oração e a sintonia com a palavra de Deus”, confessa Brunilde Schröer. Para ela, a missão de participar da Oase é gratificante. Faz bem servir e ajudar. Mostrar que como no texto “Pegadas na Areia”, de autoria desconhecida, nos momentos mais difíceis do caminho, Deus está sempre junto, “E nós também”, reforça. 

 

A presidente Gudrum Ahlert Rahmeier explica que ao longo de um século, os costumes da sociedade se modificaram. Os padrões de vida afastaram as famílias da caridade e poucas permanecem na missão. “A Oase é um espaço para jovens senhoras. Existe uma imagem associada a mulheres de mais idade, mas é possível termos membros mais jovens”, convida. Ela coordena hoje o trabalho voluntário das mulheres unidas na fé Luterana, um coro de 15 vozes e os encontros com outros grupos. “A gente sempre participa de festas e eventos promovidos pelas outras Oases da região.” O grupo de Colinas já foi a Novo Hamburgo, São Leopoldo e recentemente esteve em Lajeado, na festa de um século das coirmãs. 

 

 

Comemoração em Cristo

 

O dia marcado para celebração dos 100 anos da OASE de Colinas é o feriado de Corpus Christi. Esse ano, 29 de maio – um dia antes da fundação da Ordem, em 1913. “Teremos a presença de um pastor de 90 anos que esteve à frente de nossa comunidade no passado”, convida. Além dele, lideranças regionais, e a própria comunidade colinense é chamada a participar. 

 

A celebração ocorre no Centro Comunitário de Colinas, à tarde. Primeiro ocorre a apresentação de coros e a bênção do pastor Irineu Boetscher. Depois segue um café servido pela Padaria Bruxel de Estrela. Os cartões para a festa estão à venda pelo valor de R$ 15, nas casas comerciais de Colinas e com a diretoria da Oase. Para mais informações, a ordem tem dois telefones: 3760-4065 e o 3760-1030. 


Leia Também

Pediatras pedem uso racional de exames por imagens em crianças

11/10/2018

A proposta é estimular o uso racional das ferramentas

IDH do Brasil tem leve variação e país mantém 79ª posição no ranking

14/09/2018

Aumento na renda faz IDH do Brasil subir 0,001 ponto e chegar a 0,759


Jair Bolsonaro passa por cirurgia após receber facada

06/09/2018

Médicos descartaram lesão no fígado, mas intestino foi atingindo

Bolsonaro leva facada durante ato de campanha em Minas Gerais

06/09/2018

Candidato foi encaminhada para atendimento hospitalar