Estrela

Alunos do IEEEM protestam contra corte de árvores

Fato ocorreu na Rua Mathias Ruschel Sobrinho, ao lado do IEEEM

19/09/2019 - Estrela

Créditos da matéria: Ana Caroline Kautzmann

Ângela Schossler é professora de Biologia e vice-diretora do Instituto Estadual de Educação Estrela da Manhã (IEEEM). Ela estava na escola sexta-feira, dia 13, quando ouviu barulho de motosserras e saiu para checar na Rua Mathias Ruschel Sobrinho, via lateral da escola. “Observamos que a RGE estava podando árvores, porém, no mês de junho, a prefeitura esteve no local fazendo a poda, inclusive na ocasião solicitei que tirassem apenas o que era necessário e eles foram muito gentis”, lembra.

Quando chegou ao local, visualizou mais de 20 árvores derrubadas e ficou abalada. “Solicitei o documento de autorização para o corte e o funcionário não encontrou, me mostrou apenas um documento da Fepam, autorizando poda. Eu entendo de legislação ambiental e sei que esse corte só pode ser feito com autorização.” Acrescenta que não existia necessidade de poda drástica, apenas leve, que já havia sido realizada. “Eram árvores nativas, como Pata-de-vaca, Pau-ferro, Aroeira. Se fosse uma só, eu já ficaria indignada, imagina 20”, comenta.

Diante da indignação, Ângela publicou fotos no Facebook e contatou os setores de fiscalização da Prefeitura de Estrela, Patram, Ibama e Fepam. Uma das ex-alunas escreveu sobre o plantio das espécies, em 2000: “todos os alunos do IEEEM foram plantar árvores nativas, pelo Dia da Árvore. Estávamos muito contentes, pois além de nos dar flores, fariam sombra para o pátio e as salas de aula. É triste vê-las ao chão agora”, disse Franciele Costa. Alunos do 1º Ano do Ensino Médio, turmas 11A e 11B, escreveram cartas de repúdio e pedem que a RGE faça o envio de árvores para novo plantio: “nossa indignação não se relaciona ao fato de quem efetuou o plantio, mas às consequências do corte definitivo de árvores que poderiam ser apenas podadas, de modo que não danificassem a rede de distribuição de energia elétrica. Ademais, precisamos conscientizar a população de que a extinção dos biomas afetará a nossa e as próximas gerações. Esperamos que as medidas cabíveis sejam tomadas, tendo em vista que as gerações futuras serão prejudicadas.”

RGE se posiciona

Em resposta ao caso, a assessoria de imprensa da RGE afirma que: “buscando preservar a segurança dos clientes, bem como manter a integridade do sistema elétrico na região, a RGE realizou poda e supressão de árvores de grande porte que estavam interferindo na rede de distribuição, trazendo risco de choque elétrico à população. A ação, autorizada pelos órgãos competentes, foi devidamente informada ao poder público do município.”

Prefeitura de Estrela

O Governo de Estrela esclarece que a licença para poda ou corte de árvores pela RGE Sul é concedida pela Fepam. A Secretaria do Meio Ambiente não foi informada da supressão das árvores citadas, mas somente das que poderão ser cortadas/podadas no Centro, conforme ofício nº 381/RS, de 16 de agosto de 2019. A pasta aguarda a RGE para uma vistoria conjunta de avaliação da necessidade de supressão e entende que não haveria necessidade de corte na Rua Mathias Ruschel Sobrinho. E cita que fez levantamento e elabora parecer técnico para abertura de processo administrativo, pelo qual irá apurar responsabilidades.


Leia Também

Em uma semana, casos triplicam em Estrela

08/05/2020

No Vale do Taquari, restrições do comércio foram mantidas

Brasilata: quase 40 anos em Estrela

08/05/2020

Instalada no Bairro dos Estados, com localização estratégica próxima à BR-386, a indústria figura entre as maiores empresas do município


Uma relíquia do Estados

08/05/2020

Luis Fernando Schneider foi vereador e radialista e, em casa, guarda histórias e coleções que o orgulham

Mães solo!

08/05/2020

No dia delas, a história de duas jovens que destacam os desafios e recompensas de serem mães