Estrela

Bairro das Indústrias: um lugar para empreender

Conheça histórias de pessoas que escolheram o Indústrias para investir, a diversidade de empresas e nichos de mercado que integram o segundo maior bairro de Estrela

28/02/2020 - Estrela

ESTRELA – O Bairro das Indústrias é o segundo maior de Estrela e se destaca por ser aposta de empreendedores. É o caso de Ana Braun. Natural de Paverama, se mudou para Estrela com os pais, casou e teve dois filhos. Quando o primeiro nasceu, parou de trabalhar fora para cuidar do pequeno. O marido, como a maioria na época, trabalhava na Cervejaria Polar. “Passei a cuidar de outras crianças além dos meus filhos. No meio disso perdi meu marido. Lutei muito, as crianças sempre me ajudando e eu continuei trabalhando como babá para manter a casa”, conta. Ela lembra que, anos depois, com a ajuda dos moradores do bairro, foi construída a primeira creche, a Emei Estrelinha. “As pessoas foram colocando as crianças lá, mas eu continuei.” Hoje, aos 61 anos, já não trabalha mais, mas lembra com carinho das crianças que cuidou. “Passaram muitas crianças por mim e hoje vejo elas na rua, muitas já são mães e pais. Eu cuidava deles como se fossem meus”, lembra. 

Da Casa da Vovó

Neorides da Silva, a Nena, é outra mulher que começou a empreender no bairro. Concursada da Prefeitura de Estrela, hoje se divide entre o cargo de recepcionista e a produção de bolachas. Já faz um ano que a marca “Da Casa da Vovó” foi registrada. Além de ser um complemento para a renda da família, Nena conta que o hobby auxiliou a superar dificuldades. “Fiz curso de confeitaria na EEEPE e me apaixonei. Foi uma forma para ocupar a cabeça, pois tive muitos problemas depressivos e, com os filhos indo embora de casa, as bolachas foram uma válvula de escape”, conta. Hoje, já são várias as opções de bolachas disponíveis e Nena pretende expandir mais o negócio. Os produtos ainda não são encontrados no supermercado, mas ela não descarta a possibilidade. 

35 anos de mercado

Outro exemplo de empreendedorismo é de Noeli Alf Caio. Proprietária há 35 anos do Mercado da Noeli, na Rua Frederico Alberto Sulzbach, é ela e a filha, Ana Jaqueline Caio, que comandam o negócio. “Eu só tenho a agradecer. Comecei ali do lado, com um armazém, nem rua aberta tinha”, lembra. Domingo é ela que, além de cuidar do mercado, faz a produção na padaria. Além disso, mesmo que o mercado não esteja aberto e algum cliente precise de produto, Noeli costuma atender. “Eu faço todo o possível pelos meus clientes”, destaca. O mercado funciona das 8h às 20h30min, sem fechar ao meio dia e domingo das 8h ao meio dia e das 17h às 20h30min. 


Leia Também

P.A+ inicia atendimentos

02/04/2020

Clínica de Pronto Atendimento atende casos de baixa e média complexidade

Campo ganha empreendimentos

02/04/2020

Novas estruturas são para o cultivo de morangos


Verbas para o Hospital Estrela

02/04/2020

Municípios vão destinar R$ 600 mil para instituição. MPT e 1º Vara Federal de Lajeado também repassaram recursos

Paciente na UTI testa negativo

02/04/2020

Mulher de 44 anos, que foi o primeiro caso suspeito a precisar de UTI, apresentou resultado negativo para Covid-19