País

Centros de distribuição de varejistas operam 24 horas e com reforço de equipe

"Operação de guerra" é montada pelas grandes varejistas para dar conta da logística da Black Friday

23/11/2017 - País

A um dia do evento que promete descontos em diversos produtos, os centros de distribuição de empresas de comércio eletrônico operam 24 horas para receber os pedidos dos consumidores, separar as mercadorias e despachá-las no menor tempo possível.

Planejamento é a chave para fazer tudo dar certo em meio à correria. Nas grandes redes, a logística da Black Friday é planejada com um ano de antecedência. Depois de avaliarem o desempenho da última edição, as empresas já pensam em novas estratégias para a vender mais na próxima e reduzir o número de queixas que costumam acompanhar as transações.

Para não correr o risco de ficar sem produtos para vender, as varejistas precisam reforçar o estoque para a data. Na Netshoes, e-commerce de artigos esportivos, por exemplo, os estoques em novembro são cerca de 50% acima do registrado em meses comuns.

E para dar conta de despachar tudo isso, a empresa contratou 750 funcionários temporários em novembro deste ano. É mais do que no ano passado, quando 600 pessoas reforçaram a equipe para a Black Friday, e o recorde para a empresa. Hoje, 2.500 fazem parte do quadro fixo de funcionários da empresa.


Leia Também

IDH do Brasil tem leve variação e país mantém 79ª posição no ranking

14/09/2018

Aumento na renda faz IDH do Brasil subir 0,001 ponto e chegar a 0,759

Jair Bolsonaro passa por cirurgia após receber facada

06/09/2018

Médicos descartaram lesão no fígado, mas intestino foi atingindo


Bolsonaro leva facada durante ato de campanha em Minas Gerais

06/09/2018

Candidato foi encaminhada para atendimento hospitalar

Governo aumenta para R$ 1.006 previsão para salário mínimo em 2019

31/08/2018

Valor do mínimo foi revisado para cima porque a estimativa de inflação pelo INPC em 2018 passou de 3,3% para 4,2%