Estado

Currículos escolares terão educação étnica e racial

Decreto será assinado nesta terça-feira, dia 28

28/11/2017 - Estado

Nesta terça-feira (28), será assinado o decreto que institui o Plano Estadual de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais. A cerimônia de assinatura ocorre às 16h, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini.

O Plano Estadual de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais é resultado de um Grupo de Trabalho nomeado pelo Decreto Estadual nº 50.725 em 2013 e reafirmado pela Portaria Estadual 299 de 2015.

Por meio desta iniciativa, o comitê teve o compromisso de construir, a partir do Plano Nacional, orientações e normativas de implementação do artigo 26 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. O objetivo é a inclusão da educação das relações étnico-raciais, bem como as histórias e culturas afro-brasileiras, africanas e dos povos indígenas.

O material resultante deste trabalho será publicado e distribuído para toda a rede estadual de ensino, assim como municípios do Rio Grande do Sul.

Serviço

O quê: assinatura do Plano Estadual de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais

Quando: terça-feira (28), 16h

Onde: Salão Negrinho do Pastoreio, Palácio Piratini


Leia Também

Começa nesta semana pagamento de R$ 500 por conta do FGTS

09/09/2019

Cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão o crédito automático na conta poupança

Inscrições para o 1º concurso de Aplicativos e Games das escolas estaduais terminam no dia 12

02/07/2019

Premiação inclui valor em dinheiro, medalhas e uma viagem


Receita Estadual intensifica em todo o Estado operações contra inadimplência do IPVA

03/06/2019

Depois de 60 dias em atraso, ocorre a inscrição em dívida ativa, quando há acréscimo de 5% sobre o valor do tributo não pago.

Pente-fino do INSS pega segurados de surpresa

08/11/2018

Nem todos os beneficiários são comunicados pelo INSS; Em pouco mais de dois anos, oito de cada dez auxílios-doença analisados foram suspensos