Estado

Detran RS oferece curso para instrutores de centros que formam condutores

11ª edição acontece no dia 27, na Escola Pública de Trânsito do Detran RS, em Porto Alegre

07/03/2018 - Estado

Para sensibilizar instrutores de trânsito sobre o potencial de mudança comportamental presente no processo de formação de condutores, o DetranRS oferece cursos gratuitos voltados à educação para o trânsito nos Centros de Formação de Condutores. A 11ª edição acontece no dia 27 de março, na Escola Pública de Trânsito do DetranRS (Av. Voluntários da Pátria, 1358 - 6º andar - ala sul). As vagas são limitadas e os instrutores interessados precisam se inscrever no Portal da Educação.

Na modalidade FIC (Formação Inicial e Continuada), o curso mantém a troca de informações entre os participantes mesmo após seu término, e fornece instrumentos para a aplicação do conhecimento no processo de formação, reforçando o conteúdo ministrado nas aulas.

As aulas acontecem das 9h às 17h e, dentre os tópicos abordados, estão a diferença entre educação e formação, o papel educador do instrutor de trânsito, o comportamento humano e os princípios da educação para o adulto.

A iniciativa está vinculada às proposições do Grupo de Trabalho do DetranRS que estuda os índices de aprovação no processo de primeira habilitação e sugere alterações para qualificação da formação de condutores no estado.

Acompanhe o calendário de cursos no Portal da Educação.


Leia Também

Médicos receberão mais por consultas pelo IPE a partir de 1º de outubro

13/09/2018

Essa medida representa R$ 35 milhões a mais por ano pelo pagamento das consultas

Mais de 4,2 mil animais estão inscritos para Expointer 2018

01/08/2018

O número supera o total de animais inscritos no ano passado em 32%


Estrelense Otelio Drebes recebe Medalha do Mérito Farroupilha da AL

30/07/2018

Empresário que fundou as Lojas Lebes será homenageado na quarta-feira, dia 1º de agosto, a partir das 18h

Empresas precisam criar regras para grupos no WhatsApp

26/07/2018

Conversas entre chefes e subordinados, via aplicativo de mensagens, podem se transformar em objetos de ações trabalhistas