País

Juiz aceita denúncia do MPF e ex-deputados federais do MDB se tornam réus

Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures e Henrique Eduardo Alves já estão presos em decorrência de outras investigações

10/04/2018 - País

A Justiça Federal em Brasília aceitou na segunda-feira, dia 9, denúncia do Ministério Público Federal (MPF) no inquérito que investiga uma suposta organização criminosa formada por ex-deputados do MDB (antigo PMDB) da Câmara dos Deputados. A decisão foi tomada pelor juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal.

Com a decisão, se tornaram réus nas investigações os ex-deputados Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures e Henrique Eduardo Alves. A referida organização criminosa seria responsável por negociar com empresas vantagens indevidas na Petrobras, na Caixa Econômica Federal e na própria Câmara, segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR). Os quatro já estão presos em decorrência de outras investigações - apenas Rocha Loures está em prisão domiciliar.

Inicialmente, os parlamentares foram denunciados pela PGR ao Supremo Tribunal Federal (STF) junto com o presidente Michel Temer. No entanto, no ano passado, a tramitação da denúncia contra Temer  foi suspensa por decisão da Câmara dos Deputados. Depois disso, o ministro Edson Fachin decidiu desmembrar o processo, enviando para a primeira instância as investigações contra os acusados sem foro privilegiado na Corte.


Leia Também

Após três horas, grupo a favor de Lula desocupa triplex no Guarujá

16/04/2018

Representantes das polícias Civil, Militar, além de advogados fizeram uma vistoria prévia no apartamento

Inscrições para o Encceja começam hoje

16/04/2018

Prazo para fazer a inscrição termina no dia 27 de abril. As provas serão realizadas no dia 5 de agosto


MTST e Frente Povo sem Medo ocupam triplex atribuído a Lula

16/04/2018

Imóvel é o foco das investigações que levaram o ex-presidente à prisão

Senado aprova proposta que permite saque do FGTS a quem pede demissão

11/04/2018

O trabalhador que pedir demissão está mais perto de poder sacar integralmente o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).