Estado

Operação Octopus é deflagrada no combate aos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa

Foram cumpridos 30 mandados de busca e apreensão em estabelecimentos comerciais, empresas e residências, além do sequestro de 54 veículos e de 35 imóveis

13/03/2018 - Estado

No combate aos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa relacionados à exploração de jogos de azar, a Polícia Civil desencadeou, nesta segunda-feira, dia 12, a Opeação Octopus em  Porto Alegre, Capão da Canoa, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Portão e Xangri-Lá. Foram cumpridos 30 mandados de busca e apreensão em estabelecimentos comerciais, empresas e residências, além do sequestro de 54 veículos e de 35 imóveis. Durante as buscas, foram apreendidos documentação relacionada ao jogo, dinheiro e ceduleiras de máquinas caça-níquel.

As investigações, que foram realizadas pela Delegacia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro (DRLD), do Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos (GIE), começaram com uma denúncia feita por uma cliente das casas de jogos que, após perder mais de R$ 100 mil para bingos e máquinas caça-níquel, procurou o Ministério Público em busca de ajuda. As informações prestadas pela vítima foram compartilhadas com a Polícia Civil.

Segundo o delegado responsável pela investigação, Filipe Bringhenti, foi verificada a prática de lavagem de dinheiro na medida em que a denunciante tinha comprovantes de cartão de crédito de máquinas empregadas para a compra de crédito nas casas de jogos.

“O que chamou a atenção foi o fato de que os dados que constavam na via extraída do cartão eram de diferentes empresas, dos mais diversos ramos, o que é comum na lavagem de dinheiro. Nesse caso, a empresa é aberta no intuito de esquentar o dinheiro proveniente de infração penal. Máquinas de cartão são contratadas em nome da empresa, mas, ao invés de serem empregadas para vendas na atividade declarada, são levadas até a casa de jogos de azar. Lá, jogadores compram créditos, sendo que o valor faturado pelas máquinas entra para a conta da empresa supostamente lícita”, explicou o delegado.

Segundo o diretor do GIE, delegado Cristiano Reschke, foram deferidos judicialmente o bloqueio de R$ 27 milhões nas contas dos investigados. Além disso, 29 pessoas tiveram as contas bancárias parcialmente bloqueadas.

"Para que todas as medidas fossem deferidas, foi demonstrado ao Poder Judiciário que os investigados praticavam lavagem de dinheiro. Laranjas foram utilizados para o registro de bens que, na prática, eram usufruídos pelos verdadeiros proprietários, aqueles que comandavam o esquema. A confusão patrimonial entre os envolvidos é imensa", contou Reschke.


Leia Também

Médicos receberão mais por consultas pelo IPE a partir de 1º de outubro

13/09/2018

Essa medida representa R$ 35 milhões a mais por ano pelo pagamento das consultas

Mais de 4,2 mil animais estão inscritos para Expointer 2018

01/08/2018

O número supera o total de animais inscritos no ano passado em 32%


Estrelense Otelio Drebes recebe Medalha do Mérito Farroupilha da AL

30/07/2018

Empresário que fundou as Lojas Lebes será homenageado na quarta-feira, dia 1º de agosto, a partir das 18h

Empresas precisam criar regras para grupos no WhatsApp

26/07/2018

Conversas entre chefes e subordinados, via aplicativo de mensagens, podem se transformar em objetos de ações trabalhistas