Estado

"Pelo menos 30% das mulheres fazem procedimentos desnecessários", diz secretário da Saúde

Gabbardo alega que detecção precoce de qualquer lesão pode levar a tratamentos dispensáveis

11/10/2017 - Estado

No mês em que é celebrado o combate ao câncer de mama, segue a polêmica sobre procedimentos como realização de mamografias e autoexame nas mulheres com menos de 50 anos. Em entrevista ao Gaúcha Atualidade desta quarta-feira (11), o secretário Estadual da Saúde, João Gabbardo, reiterou o que havia dito na última sexta sobre os exames para detecção de tumores: 

— O rastreamento, que é feito em pessoas assintomáticas e sem histórico familiar, é preconizado para ser realizado entre os 50 e os 69 anos de idade. Nesse caso, a mulher não precisa nem de requisição médica, basta chegar na unidade de saúde e pedir o exame. A segunda situação são as pessoas que têm sintomas ou história familiar, aí não tem idade. 

Gabbardo disse que a antecipação desse rastreamento traz prejuízos como sobrediagnóstico e sobretratamento, que estimulariam, muitas vezes, procedimentos  agressivos e desnecessários. Ele defendeu que a maior parte das pequenas lesões iniciais descobertas em uma mamografia nunca vão se desenvolver: 

— Então, vão submeter a mulher a uma série de procedimentos como mastectomia, quimioterapia e radioterapia sem necessidade. Pelo menos 30% das mulheres que recebem o diagnóstico nessa fase, passam por procedimentos desnecessários. Mas aí, fica com a impressão de "fui salva pelo diagnóstico precoce". Mal a mulher sabe que passou por tratamentos dispensáveis. 

A recomendação da pasta é que as mulheres não façam o autoexame e nem antecipem a mamografia sem indicação médica. Diante disso, Gabbardo minimizou a importância o movimento Outubro Rosa: 

— Nós não podemos deixar que um movimento dê orientações para a população diferentes do que os órgãos oficiais, como Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer (Inca), preconizam. 

No Atualidade de terça-feira (10), a  presidente do Instituto da Mama do RS, Maira Caleffi, rebateu as manifestações do secretário: 

— É difícil acreditar que ele tenha dito isso. Nós temos uma parceria de Outubro Rosa com governo do Estado, Assembleia Legislativa e a mamografia não é o foco principal. Quem trouxe a questão foi ele. O que estamos falando é que a paciente tem que ficar no controle, saber suas opções, procurar ajuda. Não focamos em mamografia. 

Sobre o autoexame, Gabbardo garantiu que, em boa parte dos casos, as mulheres não são capazes de detectar os tumores, que acabam sendo descobertos durante as consultas médicas. 


Leia Também

Rio Grande do Sul tem primeiro caso de febre amarela em quase 10 anos

22/02/2018

Por meio do Twitter, o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, informou que o paciente não havia sido vacinado, e contraiu a doença em Minas Gerais.


RS terá 12 novas escolas de Ensino Médio em Tempo Integral a partir de março

20/02/2018

Programa vai beneficiar mais de 2,1 mil alunos