Vale do Taquari

Procuradores dos credores trabalhistas devem fazer contato com a administradora da calçados Blip

Ação se faz necessária para pagamentos pendentes

12/11/2018 - Vale do Taquari

O escritório de advocacia Scalzilli Althaus chama os procuradores dos credores trabalhistas da empresa calçados Blip para iniciar o pagamento de dívida trabalhista. Instalada em Teutônia em 1991, a fábrica teve massa falida decretada em 2011 após uma grave crise financeira.

Considerada uma das maiores e mais tradicionais empresas do ramo coureiro-calçadista do Vale do Taquari, empregava cerca de 200 pessoas em unidades da região. "Estamos providenciando o primeiro rateio de credores trabalhistas com disposição de valores para que todos possam receber. Estão sendo intensificados os contatos para viabilizar o pagamento antes do Natal", ressalta a advogada da Scalzilli Althaus, Gabriele Chimelo, administradora judicial.

Algumas exigências ainda necessitam ser cumpridas. O credor precisa apresentar os seus dados e do seu procurador (documento de identidade, CPF e número de conta bancária), já que o valor será transferido diretamente para o trabalhador. "Estamos fazendo todos os esforços para localizar essas informações, mas nem todas constam no banco de dados do sindicato. Isso reforça a importância dos advogados ou do próprio credor entrarem em contato conosco o mais rápido possível", reforça.

Os contatos devem ser feitos com os advogados Carlos Ortiz ou Gabriele Chimelo, da Scalzilli Althaus, pelo e-mail reestruturacao@scaadvocacia.com.br ou gabriele@scaadvocacia.com.br, além do telefone (51) 3382-1500.


Leia Também

Câmaras e prefeituras de Colinas e Imigrante: 100% em transparência

05/07/2019

Índices já haviam sido positivos em 2017

Últimos dias para visitar a Suinofest

14/06/2019

Evento ocorre em Encantado até domingo


Telefonia móvel: prefeitos buscam solução no Procon

14/06/2019

Operadoras têm dez dias para entregar relatórios

IPVA 2019: Colinas, Estrela e Imigrante arrecadam 92,5% do previsto

07/06/2019

Aproximadamente R$ 411 mil ainda não deram entrada nos cofres dos três municípios