Estrela

Projeto de lei defende que presos trabalhem para pagar despesas carcerárias

28/03/2016 - Estrela

Segundo o Projeto de Lei, todo condenado deverá indenizar ao Rio Grande do Sul os valores correspondentes aos custos de sua estadia no sistema prisional. Segundo dados oficiais, no Estado, cada preso custa entre R$ 1,6 e R$ 2 mil por mês. No Brasil, o gasto com presos é ainda maior, em torno de R$ 3,4 mil – é o dobro do que se gasta com cada aluno do ensino superior, segundo o MEC.

A proposta é de que o valor arrecadado seja destinado ao Fundo Penitenciário do Estado. Caso o recluso não tenha condições financeiras para arcar com os gastos, deverá trabalhar para cobrir seus custos. "Pagamos duas vezes pela insegurança. Primeiro, com altos impostos, que deveriam ser usados para manter o sistema prisional; segundo, com nossas propriedades e bens ao sermos assaltados, ou até com a própria vida. Mais do que moral, essa medida é necessária, sobretudo em um Estado no qual faltam recursos para formar, aparelhar e remunerar seus policiais", defende van Hattem.

Conforme a Lei de Execuções Penais (LEP), o trabalho do condenado é um dever social e condição da dignidade humana – e tem como finalidade a educação produtiva. Trata-se de um instrumento usado em diversos países. Nos Estados Unidos, por exemplo, os estados de Kentucky, Nova York, Arizona e Iowa chegam a cobrar até US$ 90 a diária de cada encarcerado. "Isto, aliás, é uma forma de ressocializar o preso. O sujeito poderá tirar a si próprio da marginalidade", acrescenta o deputado.


Leia Também

Gracie marcará participação na Festa do Colono e Motorista de Estrela

19/07/2019

Evento programa o "Dia do Vovô e da Vovó" e grupos da terceira idade contarão com atrações

Escrita como meio de se encontrar

19/07/2019

Jandiro Koch conta os desafios de escrever livros voltados ao tema gênero


O 25 de julho e a imigração alemã

19/07/2019

Foi instituído solenemente como feriado estadual durante o governo do general Flores da Cunha

Costumes que permanecem

19/07/2019

Alemães mantiveram o próprio idioma e desenvolveram círculos de amizades