País

TSE rejeita multar Bolsonaro por campanha antecipada

Pedido contra ex-presidente Lula também foi negado

06/12/2017 - País

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na terça-feira, dia 5, rejeitar representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) para multar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por suposta propaganda eleitoral antecipada.  

Pouco antes, o TSE também negou pedido para multar o ex-presidente Luiz Inácio da Silva por suposta propaganda eleitoral antecipada, em outra representação do MPE, desta vez por um vídeo, publicado em junho, que mostra o ex-presidente fazendo exercícios físicos e uma música ao fundo chamada “estou voltando”.

Na representação contra Bolsonaro, o MPE pediu a aplicação de multa pela veiculação de um vídeo na internet no qual o deputado é recepcionado por apoiadores ao chegar em aeroportos, fazendo menção à sua candidatura às eleições presidenciais de 2018.  

Por maioria, a Corte seguiu voto proferido pelo relator, ministro Admar Gonzaga. O ministro entendeu que não há ilegalidade na veiculação de um vídeo. Para o ministro, a propaganda eleitoral antecipada estaria caracterizada somente com pedido explícito de voto, fato que não ocorreu nas imagens.
 
O voto do relator foi acompanhado pelos ministros Tarcísio Veira, Jorge Mussi, Luiz Fux e Napoleão Maia. Gilmar Mendes e Rosa Weber votaram pela aplicação de multa por entenderem que houve a propagada antecipada.
 


Leia Também

Câmara aprova reoneração com isenção de PIS/Cofins no diesel

24/05/2018

A proposta retira a desoneração da folha de pagamento de 56 setores

“Greve dos caminhoneiros mostrou força, mas precisa recuar”, afirma Eliseu Padilha

24/05/2018

Ministro-chefe da Casa Civil diz que Governo está preocupado com o desabastecimento das famílias


Fachin autoriza comissão de deputados a visitar Lula na prisão

23/05/2018

Autorização havia sido negada duas vezes pela juíza Carolina Moura Lebbos

MPF pede aumento de multa para Bolsorano por preconceito a quilombolas

23/05/2018

Valor a ser pago pelo deputado federal é de R$ 300 mil