País

TSE rejeita multar Bolsonaro por campanha antecipada

Pedido contra ex-presidente Lula também foi negado

06/12/2017 - País

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na terça-feira, dia 5, rejeitar representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) para multar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por suposta propaganda eleitoral antecipada.  

Pouco antes, o TSE também negou pedido para multar o ex-presidente Luiz Inácio da Silva por suposta propaganda eleitoral antecipada, em outra representação do MPE, desta vez por um vídeo, publicado em junho, que mostra o ex-presidente fazendo exercícios físicos e uma música ao fundo chamada “estou voltando”.

Na representação contra Bolsonaro, o MPE pediu a aplicação de multa pela veiculação de um vídeo na internet no qual o deputado é recepcionado por apoiadores ao chegar em aeroportos, fazendo menção à sua candidatura às eleições presidenciais de 2018.  

Por maioria, a Corte seguiu voto proferido pelo relator, ministro Admar Gonzaga. O ministro entendeu que não há ilegalidade na veiculação de um vídeo. Para o ministro, a propaganda eleitoral antecipada estaria caracterizada somente com pedido explícito de voto, fato que não ocorreu nas imagens.
 
O voto do relator foi acompanhado pelos ministros Tarcísio Veira, Jorge Mussi, Luiz Fux e Napoleão Maia. Gilmar Mendes e Rosa Weber votaram pela aplicação de multa por entenderem que houve a propagada antecipada.
 


Leia Também

Câmara aprova em segundo turno PEC que estende prazo para Estados e municípios pagarem precatórios

07/12/2017

Proposta aumenta de 2020 para 2024 o prazo final de pagamentos. Como sofreu alterações na Câmara, projeto volta ao Senado

TSE rejeita multar Bolsonaro por campanha antecipada

06/12/2017

Pedido contra ex-presidente Lula também foi negado


Nova Base Curricular pode ser votada quinta-feira

06/12/2017

Entidades pedem que a matéria seja mais bem discutida em nova audiência pública

PGR denuncia Geddel e irmão por lavagem de dinheiro e associação criminosa

05/12/2017

Investigação está relacionada à apreensão dos R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador