Marçal Junqueira

HORA DE REZAR E AGRADECER...

11/01/2016 - Marçal Junqueira

Que venha o ano de 2016 com muita esperança e fé em dias melhores. Sei que esta é uma invenção humana, datar e tentar controlar o tempo, marcar o tempo. É uma convenção da sociedade, mas como tem funcionado assim há muito tempo, vamos nesta.

Eu sei, eu sei, muitos dirão: agradecer pelo quê??? Em todos os tempos, em todas as épocas,  quanto mais a situação aperta, quanto maiores as dificuldades, maior a fé. Depois de quase ter me encontrado com o criador há dois anos, readquiri o hábito de rezar, ultrapassado e cafona segundo muitos. Sim, é possível.

Rezo pela manhã ao acordar, brevemente, peço e agradeço, não sei se chega a um minuto, mas faço. Quando me lembro, rezo à noite também. Raramente, mas rezo.

Esta é uma crise braba, nem tanto econômica e financeira, mas de valores, de crenças, um momento de decisões duras, necessárias e inadiáveis para muitos de nós dirigentes e dirigidos.

É um momento de fazer o balanço e pedir sabedoria, paciência, parcimônia. Rezar é meditar,  fortalece a pessoa, é bom para quem tem fé, é bom para quem quer ter fé, é bom para quem quer ter paz, é bom até para quem quer ter foco e discernimento.

Não importa sua crença, meditar sobre o que disse Jesus, Buda, Adonai, Alá, Xango, Iansa, Ghandi, e até para o Papa Francisco, que ao escolher seu nome apontou um  caminho e vem tirando a Igreja Católica dos intramuros do Vaticano e trazendo de volta aos poucos homens e mulheres do mundo para uma retomada na fé.

Quando rezo ou medito, procuro concentrar, reunir forças, retomar o controle da vida. Controlar o Besta que existe dentro de nós.

Para 2016 eu tenho rezado para que eu consiga passar menos tempo nas redes sociais, para que volte a fazer as caminhadas tão necessárias, para que eu possa resistir às guloseimas e persista na dieta saudável, para que eu possa visitar os amigos que não vejo há tempo (aquela visita ao Biti Horn sempre programada, mas nunca concretizada), que eu possa ter humildade suficiente para pedir desculpas aos amigos e parentes que magoei, que eu aprenda finalmente a lavar a louça e secar aquela que usei, que não reclame tanto das coisas e que veja a graça em quase tudo, que eu consiga ficar longe do Carnaval e da TV, principalmente do Jornal Nacional.

E neste ano “novo” que se anuncia desejo a todos vocês que façam a viajem desejada, que encontrem a paz e a prosperidade, que tenham tempo para o lazer, para a família, para os amigos, que tenham quem os ame sinceramente, que sus filhos lhes dê muita atenção, que você e seus familiares tenham saúde e prosperidade para viverem um ano novo de generosidade abundante e  que este ano novo nos inspire e anime...

É o que desejo para vocês.

Feliz 2016.



Leia Também

Coluna Gastro

22/08/2017

Coluna Gastro

28/06/2017


Coluna Gastro

24/04/2017

Coluna Gastro

18/02/2017