Adriano Mazzarino

Coluna do Mazzarino

27/07/2017 - Adriano Mazzarino

“Se tu vens às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz.” (Antoine de Saint-Exupéry – escritor francês)
 
 
R$ 1,2 milhão para produção de gel
A empresa Bertolini Indústria Química Ltda, a Gota Limpa, de Imigrante, ampliará o parque industrial com um investimento de R$ 1,2 milhão para aquisição de novos equipamentos e máquinas para envase e rotulagem. A indústria produz detergentes, lava louça, desinfetantes, gel adesivo, lava roupa e sabão em barra. A diretora comercial da empresa, Camile Bertolini Di Giglio, apresentou o projeto para produzir gel sanitário, patenteado, para ser comercializado nos mercados do Sul e do Sudeste do Brasil e Angola, ao governo do Estado. Com 217 funcionários e uma unidade com 16 mil metros quadrados de área construída, a empresa construirá mais 1.439 metros quadrados e criar 21 novos postos de trabalho.

Crônica

Paulo Sant’Ana entre Encantado e Estrela
Em Encantado, certa feita, decidimos levar o programa Sala de Redação, da Rádio Gaúcha,  para o centro da cidade.  A ideia era usar o formato num projeto diferente. Nós reunimos os radialistas, num sábado de tarde/noite, no centro da cidade, sobre um trio elétrico, para debater futebol.
 
Ou seja, era o programa, ao vivo, sem estar nas ondas do rádio. Reunimos um bom público, que não foi maior pois erramos no detalhe. O sábado à noite era o horário do encontro das famílias e isto interferia na vida de diversos tipos de torcedores.
 
A amarração do evento foi através do radialista Pedro Ernesto Denardin. Estavam lá Pedro Ernesto, Ruy Carlos Ostermann, Lauro Quadros, Kenny Braga e naturalmente, Paulo Sant’Ana.
 
Durante a semana, Pedro Ernesto havia comentado que Sant’Ana estava um pouco adoentado, indisposto. Mas viria para cumprir o acordado.
 
Quando chegaram, ao me aproximar,  Sant’Ana me alertou para evitar de que o cumprimentasse   com muita força, pois ele estava com dores nos braços e pulsos. E assim atendemos  o pedido e  alertamos aqueles se aproximavam.
 
Depois da apresentação do programa fomos para o jantar. Eles imaginavam que iríamos para um restaurante.  E  nós invertemos a lógica.  Fomos todos para um jantar de comunidade. Quando entraram no ambiente colocamos os hinos de  Grêmio e Inter e foi uma grande vibração entre o grande público que os esperavam.
A ideia dos jantar foi aprovada. Todos foram homenageados, inclusive com a presença das autoridades municipais. Pedro Ernesto falou em nome do grupo. E antes havia me dito que Sant’Ana sairia imediatamente após o jantar, onde um motorista ia levá-lo à Porto Alegre, diante do seu desconforto físico.
 
Com a palavra Pedro Ernesto agradeceu a acolhida, os mimos, o carinho. Encerrado o ato todos os convidados já de pé, saindo das mesas, quando Paulo Sant’Ana, passa pela ponta de uma das mesas, pega o microfone e pede a palavra.
 
Foi a maior vibração da noite. E logo depois o maior silêncio. Sant’Ana começou a descrever a importância daquela noite. O encontro das pessoas, a reunião dos casais e famílias, a qualidade de vida do interior do RS, a felicidade que ele via no rosto das pessoas. Destacou que sai de lá emocionado diante de tanta afetividade que via. Foi às lágrimas e encerrou declamando uma poesia.
 
E o público em êxtase, aplaudiu, vibrou, se emocionou e foram abraçá-lo.
 
Nós havíamos cumprido a missão. A primeira parte do evento, no centro, tinha atingido nota boa. E a ideia do jantar havia superado toda e qualquer avaliação anterior.
 
Após o jantar, fiquei imaginando o que teria acontecido se  Paulo Sant’Ana não estive naquele dia com problemas de saúde, pois teve que sair em carro com motorista destacado para levá-lo imediatamente para a Capital. Fiquei refletindo sobre a limitação que teve e  como superar diante da presença do público.
 
Pois bem, naquela  semana, na terça ou quarta-feira, uma surpresa me provocou uma grande gargalhada.
 
Abro o jornal O Informativo do Vale,  e na coluna social, uma grande foto do Paulo Sant’Ana, na inauguração Lupus Land, em Estrela, cercado de bela loiras, e feliz da vida.
 
Traduzindo, ele saiu de Encantado, cheio de dores, sob inspiração, e parou em Estrela, rodeado de amores, para uma boa ação. Sábio este Sant’Ana, muito sábio! Um gênio, que provocou muita luz em diversas de suas ações e deixa uma grande saudade naqueles que tocou. Tão gênio que veio se energizar com as sedutoras loiras de Estrela! 
 


Leia Também

Coluna do Mazza

14/10/2017

Coluna do Mazza

09/10/2017


Coluna do Mazzarino

16/09/2017

Coluna do Mazzarino

12/09/2017