Cafezinho com NG

Cafezinho com NG

O Jornal NG publica nesta semana mais um Cafezinho com o NG. Neste espaço, empresários, políticos, lideranças e representantes de comunidades da área de cobertura do semanário destacam experiências e ações nos seus respectivos setores e em benefício de suas cidades. Nesta edição, o recém empossado presidente do Rotary Club Estrela, Martinho José Dullius, para a gestão 2021/2022,destaca os desafios à frente do clube de serviços e sua relação com Estrela. O empresário do ramo cervejeiro é casado com Tânia Castro Dullius e tem duas filhas, Natália e Nicole. 

ENTREVISTA:

Jornal NG – Qual a sua relação com a comunidade de Estrela?

Martinho José Dullius – Posso me atrever e dizer que há uma relação de cumplicidade. Pois tenho imenso carinho, intimidade, companheirismo e amizade pela comunidade de Estrela, e acredito que a recíproca seja a mesma. 

Jornal NG – Quais os principais projetos do Rotary Club Estrela? 

Martinho José Dullius – Seguindo com o lema “Dar de Si antes de Pensar em Si”, vamos continuar com os projetos em curso. Entre os que muito nos orgulham e valorizam os jovens estão o  Aluno Nota 10, envolvendo escolas estaduais e particulares de Ensino Médio, e o Rotary Melhor Companheiro, envolvendo alunos das escolas municipais do 6º ao 9º Ano. Também temos ações de arrecadação de donativos, agasalhos, brinquedos, material escolar, entre outros, bem como a de alimentos, realizada no último mês em parceria com a Brigada Militar. Vamos manter as parcerias em eventos, como no Parckchoppfest, Multifeira, Rústicas de Inverno, limpeza do Rio Taquari, Corrida Só Elas, a tradicional feijoada, em agosto, entre outras.

O carro chefe do Rotary Internacional é a vacinação contra a Poliomielite e nas cidades onde existe clubes de Rotary participamos das campanhas de vacinação. Também daremos continuidade a projetos que auxiliem a comunidade, com na aquisição de equipamentos para o Hospital Estrela, e na questão ambiental, dando continuidade a instalação de lixeiras em escolas e locais públicos, além de ministrar palestras de conscientização. Entendemos que transformando a visão das crianças, além de serem sementes multiplicadoras, teremos no futuro adultos conscientes.

Jornal NG – Qual a importância da prestação de serviços feita pelo Rotary, em especial nesta época de pandemia? 

Martinho José Dullius – O Rotary é uma associação de clubes dedicada à prestação de serviços, a mais antiga e prestigiosa do mundo. E aplicamos o ideal de “servir”, onde desenvolvemos uma variedade de atividades, oferecendo aos próprios rotarianos a oportunidade de prestar serviços sociais a fim de proporcionar uma qualidade de vida aos membros da nossa comunidade, bem como servir ao interesse público. Durante a pandemia, não paramos, nem com nossas reuniões, que passaram a ser on-line, onde concretizamos projetos, como a dos ventiladores pulmonares doados ao hospital, doações de máscaras faciais, arrecadação de alimentos e agasalhos, entre outras ações. 

Jornal NG – Na sua área de atuação, o cervejeiro, Estrela se destaca. Mas no que a cidade precisa apostar para incrementar o setor?

Martinho José Dullius – Mais cerveja (risos). Precisamos viver mais nesse ramo, ou seja, os cervejeiros caseiros se reunir mais e promover mais eventos para atrair, principalmente, a comunidade, assim como a Acerva já faz, além de implantar mais microcervejarias,  que sejam ou não totalmente artesanais, e saírem do anonimato. O poder público poderia incentivar a criação de um berçário industrial para fabricação de equipamentos cervejeiros, incentivar a criação de lavouras de insumos, como a cevada, aproveitar as dependências da antiga Polar para montar um museu só da cerveja. Isso impactaria no comércio, na indústria e, principalmente, no turismo.  Portanto, é viver mais a cerveja.

Jornal NG – Que dicas você daria para quem pretende apostar no ramo cervejeiro? 

Martinho José Dullius – Há dois tipos de ramo cervejeiro: o “por esporte´´, que é quando você faz sua própria cerveja; e o comercial, onde será seu ganha pão. Fazer cerveja não é uma simples receita de pão, sempre digo que ela chega a ser uma alquimia. Devendo-se levar em conta várias variantes no processo de produção, que começa desde o local onde você produzirá, passando pela aquisição de insumos, embalagens, equipamentos, armazenagem, chegando a venda. Portanto, tudo deve ser muito bem pensado, deve se aperfeiçoar, “estudar cerveja´´, pois nesse caso você não fará cerveja só para você, e sim para outros.

Deixe uma resposta